Vida Sustentável – Uma mutação existencial


           



            Houve época em que os temas relacionados com a sustentabilidade apareciam na mídia, como manobra de marketing. Quando um produto agregava um certificado ou um selo que demonstrava cuidados com o meio ambiente, seu valor crescia junto aos consumidores focados na questão ambiental. Modernamente, os caminhos do desenvolvimento sustentável se alargam e a Ecologia aplicada pode até despontar como um bom negócio.
            O Brasil é o país que mais recicla latas de alumínio no mundo, o equivalente a 15 bilhões de unidades por ano, com um rendimento de mais de 380 milhões de reais. Lidera também a reciclagem de garrafas PET. São mais de 250 mil toneladas por ano com um rendimento próximo a 300 milhões de reais. Além do enorme benefício ao meio ambiente, pois todo esse material seria sucata de difícil degradação por bactérias e fungos que atuam na reciclagem de matéria, as latas de alumínio e garrafas PET recicladas representam uma desaceleração na exploração de recursos naturais – que não são ilimitados – e uma diminuição da poluição por material plástico. Além disso, a reciclagem agrega valores humanos, tanto em relação à oferta de trabalho quanto na exemplificação palpável de educação ambiental
            Os talões de cheques feitos com papel reciclado, a substituição de sacos plásticos por sacolas retornáveis ocorrendo em muitos supermercados e a valorização da extração e comercialização de madeira proveniente de manejo sustentável das florestas, evidenciam que as questões relacionadas ao impacto ambiental decorrente de atividade antrópicas são uma preocupação presente em todos os segmentos da sociedade, ainda que a consciência ecológica seja um alvo, que por enquanto, não foi alcançado pela maioria dos homens.
            Uma companhia que investe em tecnologias limpas e comprova uma diminuição significativa na emissão de gases de efeito estufa através de um certificado de crédito de carbono, pode negociar os créditos com outras empresas que necessitam reduzir suas emissões, por apresentarem débito ambiental. No mercado financeiro esses créditos de carbono possuem um valor monetário real. Na Organização das Nações Unidas, a Iniciativa pelos Princípios para o Investimento responsável (PRI), constitui uma rede de investidores comprometidos a colocar em prática alguns princípios que se relacionam à responsabilidade social, ambiental e corporativa. As duzentas maiores corporações do mundo fazem parte do conselho mundial de negócios pelo desenvolvimento sustentável. Entre elas está a Petrobrás.
            Empresas estatais ou privadas possuem filosofias de trabalho e padrões de relacionamentos que decorrem do nível de consciência de seus gestores e de seus membros em geral. A transição de uma mentalidade focada em uma economia de exploração para uma mentalidade focada em economia sustentável pressupõe uma radical mudança de referenciais de valores por parte dos indivíduos. Faz-se necessário que ocorra uma mutação na consciência de cada indivíduo, uma espécie de “ metanoia” em relação aos condicionamentos estratificação na memória. Desfocar-se do “eu” produzido pelo meio social e se perceber pensando, falando e agindo em conformidade com identificações estabelecidas na penumbra da consciência.
            A propagação de idéias sustentáveis, de suas viabilidades e até das vantagens pragmáticas, são necessárias, entretanto, o homem possui uma forte tendência de “ver” e “ouvir” apenas aquilo que vai de encontro aos seus anseios e interesses egocêntricos.
      
      Sustentabilidade se alinha com solidariedade, com distribuição de riquezas, com um novo direcionamento social e existencial. Não pode ser concebida como um novo segmento que deva se adequar a um modelo econômico fragmentado que insiste em ignorar que os patrimônios meta individuais da natureza são a fonte legítima de toda riqueza, e, portanto, devem ser o cerne de um modelo eco viável
           Em decorrência dos danos que a civilização industrial causou na biosfera, a recuperação, preservação e proteção dos ecossistemas naturais devem ser prioridades máximas na governança planetária atual.

MAURÍCIO TOVAR
MATÉRIA DO JORNAL DIÁRIO DA MANHà
COLUNA  TERRA SUSTENTÁVEL 
http://www.dmdigital.com.br/ .

Nenhum comentário:

Postar um comentário